Início Tecnologia Adfin quer fixar pagamento de contas para comerciantes individuais e pequenas empresas

Adfin quer fixar pagamento de contas para comerciantes individuais e pequenas empresas

43
0

Encontrar Adf.uma nova startup fintech sediada no Reino Unido que quer ajudar empresas a receberem suas faturas pagas — custe o que custar. Fundada por dois especialistas em fintech, a empresa está começando com um problema e construindo um produto em torno dele. O problema é que ainda é difícil receber se você estiver configurado como um comerciante particular person ou mesmo uma pequena empresa que não tenha uma pessoa dedicada a tarefas administrativas.

O processo de ser pago pelo trabalho para pequenas empresas e comerciantes individuais, como advogados, contadores, consultores, comerciantes e assim por diante, normalmente envolve o envio ao cliente de uma fatura com suas informações bancárias. Mas você também tem que rastrear os pagamentos recebidos e reconciliá-los para ter certeza de que recebeu o dinheiro. Adicione a isso, a experiência não é tão boa para seus clientes.

Para clientes recorrentes, você pode tentar configurar um débito direto. Mas pode ser difícil para esses tipos de negócios convencer seus clientes a deixá-los sacar dinheiro diretamente de suas contas bancárias. Quanto aos pagamentos com cartão, isso geralmente leva a altas taxas de processamento.

“O consumidor médio faz apenas 21 compras de comércio eletrônico por ano”, disse o cofundador e CEO da Adfin, Tom Pope (foto à esquerda), ao TechCrunch. Ele trabalhou anteriormente para a Tink, a startup de open banking que foi adquirida pela Visa. “Todo o burburinho tem sido em torno do comércio eletrônico, mas para o seu escritório de advocacia ou de contabilidade médio, seus pagamentos estão estagnados na casa dos 90 — transferências bancárias, pagamentos com cartão feitos por telefone, pagando taxas realmente altas.”

A Adfin argumenta que comerciantes individuais e pequenas empresas não querem necessariamente pensar no método de pagamento mais apropriado. Em vez disso, eles só querem receber e seguir em frente. Em sua essência, a startup está construindo uma plataforma de gerenciamento de faturas e uma plataforma de pagamento para simplificar a administração crítica e tornar o recebimento menos uma dor de cabeça.

Após enviar as faturas para o Adfin, seus clientes podem usar a plataforma para enviar solicitações de pagamento por e-mail, WhatsApp ou SMS.

O Adfin então resolve automaticamente o método de pagamento a ser exibido dependendo de vários fatores, como se é um cliente recorrente, uma fatura pequena, and so forth. A empresa oferece suporte ao pagamento por banco usando open banking, pagamentos com cartão, incluindo Apple Pay e Google Pay. Se o cliente não pagar imediatamente, o Adfin automatiza o envio de lembretes também.

“Nossos clientes não são nerds de pagamento. Eles não precisam ser nerds de pagamento. E eu acho que o fato de eles não serem nerds de pagamento provavelmente levou a que eles fossem um pouco aproveitados, para ser honesto”, disse Pope.

“Com a Adfin, nós apenas oferecemos pagamentos a você. Nós fazemos você ser pago e nós cuidaremos do combine de pagamentos. E, obviamente, é do nosso interesse tentar fazer com que sua taxa de sucesso seja a mais alta possível e seus custos o mais baixo possível”, ele acrescentou.

Como o Adfin atua como um repositório central para todas as suas faturas, as empresas podem verificar todas as faturas pendentes e ver se elas foram pagas ou não. O Adfin atualmente cobra 1% por pagamento. Não importa qual método de pagamento foi usado, sempre será 1%.

“Como comerciante, todos querem ser pagos o mais rápido possível, o mais barato possível e com menos esforços da sua parte”, disse o cofundador e CTO da Adfin, Ciprian Diaconasu (foto à direita), ao TechCrunch. Anteriormente, ele passou 12 anos trabalhando para Mambuuma plataforma bancária baseada em nuvem. “Então é um monte de capacidades que estamos construindo que apenas maximizam o momento em que você recebe o pagamento e minimizam o custo disso.”

A startup já levantou US$ 4,9 milhões em fundos semente, coliderados pela Index Ventures e Visionaries Membership. Vários enterprise angels também participaram da rodada, incluindo Thijn Lamers (equipe fundadora da Adyen); Guillaume Pousaz (fundador do Checkout.com); Eugene Danilkis (cofundador do Mambu); Ferdinand Meyer (cofundador do Moss); David de Picciotto (cofundador do Pledge); Maximilian Eber e Maik Wehmeyer (cofundadores do Taktile); e Josef Bovet (cofundador do Tiller).

Fonte