Início Notícias Bandidos ‘narcopentescostais’ do Rio são acusados ​​de ordenar fechamento de igrejas católicas

Bandidos ‘narcopentescostais’ do Rio são acusados ​​de ordenar fechamento de igrejas católicas

28
0

Relatos de que um poderoso traficante do Rio, conhecido por suas crenças religiosas extremistas, ordenou o fechamento de igrejas católicas perto de seu reduto assustaram fiéis e especialistas em segurança e expuseram o advento de um movimento “narcopentecostal” formado por traficantes de drogas evangélicos fortemente armados.

Alegações surgiram na imprensa brasileira no fim de semana de que Álvaro Malaquias Santa Rosa – um notório chefe de gangue conhecido como Peixão – havia determinado que três locais de culto deveriam ser fechados dentro e ao redor da aglomeração de favelas que ele controla na zona norte do Rio.

Desde que Peixão – cujo apelido vem do peixe ichthys “Jesus” – assumiu o poder em 2016 em cinco favelas que ficaram conhecidas como Complexo de Israel, uma alusão à crença evangélica de que o retorno dos judeus à Terra Santa é um passo em direção à segunda vinda de Cristo e ao Armagedom.

Uma Estrela de Davi de neon foi erguida no topo do complexo e à noite pode ser vista a quilômetros de distância – um símbolo imperdível da força de Peixão e sua fé. Os telhados das casas de tijolos vermelhos das favelas são pontilhados com bandeiras azuis e brancas de Israel demarcando o território que o gangster controla. Quando a polícia invadiu um dos seus esconderijos em 2021, eles encontraram uma piscina emoldurada por um mural do Monte do Templo na Cidade Velha de Jerusalém e as palavras: “Bem-aventurada é a nação cujo Deus é o Senhor”.

No passado, as tropas de Peixão foram acusadas de saquear templos afro-brasileiros e proibindo Celebrações afro-brasileiras no Complexo de Israel, onde vivem mais de 100 mil pessoas. Mas as reportagens desta semana foram as primeiras relacionadas a locais de culto católicos.

O primeiro indício de que algo estava errado veio no sábado, quando a equipe da paróquia Nossa Senhora da Conceição e São Justino Mártir disse aos paroquianos que as reuniões e missas estavam suspensas “até novo aviso”. A postagem na mídia social foi posteriormente apagada, mas, de acordo com jornais locais, a notícia se espalhou rapidamente entre os fiéis de que a ordem tinha vindo de Peixão.

O jornal O Globo disse houve relatos subsequentes de que homens armados em motocicletas visitaram duas outras igrejas locais, Santa Edwiges e Santa Cecília, e decretaram que casamentos ou batizados não deveriam ocorrer. Essas igrejas também publicaram mensagens anunciando seu fechamento temporário.

A Arquidiocese do Rio negou os relatos da mídia, insistindo que suas igrejas estavam operando normalmente. Em uma declaração, o secretário de segurança pública do Rio atribuiu os relatos a rumores on-line e afirmou que nenhuma ordem desse tipo havia sido dada.

Um pacote de cocaína estampado com a Estrela de Davi – uma referência à crença pentecostal de que o retorno dos judeus a Israel representa um progresso em direção à segunda vinda. Fotografia: Alan Lima/The Guardian

Mas a unidade anti-intolerância e racismo da polícia civil está investigando. Na manhã de segunda-feira, a polícia militar lançou uma operação para remover barricadas que bloqueiam estradas que levam ao domínio de Peixão, onde murais com temas bíblicos trazem citações de Salmos. O governo disse que a polícia foi mobilizada para evitar “instabilidade na região e garantir que as igrejas possam operar e que os moradores estejam seguros”.

Seja qual for a verdade, o drama alarmou os fiéis e destacou a crescente influência de bandidos que criticam a Bíblia, conhecidos como “narcopentecostais”, que agora controlam grandes áreas do Rio.

“Eles se chamam evangélicos, mas eu me recuso a usar esse termo. Na realidade, [Peixão] é um narco-religioso-fundamentalista”, disse o comentarista e ex-editor de jornal Octavio Guedes, da rede de televisão GloboNews.

Especialistas dizem que o pano de fundo para a ascensão do narcopentecostalismo é a disseminação vertiginosa de igrejas evangélicas pelo Brasil nas quase quatro décadas desde que Peixão, de 37 anos, nasceu nos subúrbios decadentes da zona norte do Rio.

Desde então, a comunidade evangélica do Brasil explodiu, de menos de 7% da população em 1980 para 22% em 2010 e cerca de 30% hoje. A congregação católica, enquanto isso, encolheu drasticamente. Em 1991, 83% dos brasileiros se identificavam como católicos, em comparação com cerca de 50% hoje.

A revolução evangélica tem sido particularmente fervorosa no Rio, especialmente em subúrbios carentes e favelas, onde pregadores fornecem apoio essential a moradores oprimidos cujos parentes enfrentam desemprego, alcoolismo e dependência de drogas.

Mas um subproduto tem sido a perturbadora fusão do extremismo cristão e membros das facções do tráfico que governam muitas dessas comunidades. Alguns observadores dão crédito aos pregadores pela redução dos níveis de violência ao abraçar os chefões do tráfico do Rio e tentar convencê-los a derramar menos sangue.

Mas outros temem ter radicalizado bandidos altamente perigosos como Peixão – um fugitivo que supostamente é procurado por crimes como tráfico, assassinato e ocultação de cadáver humano – com consequências terríveis para a liberdade religiosa.

Cecília Olliveira, especialista em segurança cujo grupo, Fogo Cruzado, monitora a violência armada, disse que period comum ouvir sobre incidentes em que traficantes radicalizados atacavam templos afro-brasileiros chamados terreiros ou proibiu moradores de favelas de usar colares religiosos conhecidos como guias ou roupas brancas.

Mas Olliveira nunca tinha ouvido falar de igrejas católicas enfrentando repressão semelhante, o que ela chamou de consequência de intolerância religiosa de longa knowledge de setores da igreja neopentecostal.

“O que isso nos mostra, acima de tudo, é até que ponto o Estado não tem controle formal sobre certas áreas”, disse Olliveira sobre a suposta ordem do gangster de fechar as igrejas.

“A democracia nunca chegou a certas partes do país e isso [order] é uma prova cristalina disso porque infringe um dos direitos mais básicos… que é ter o direito de professar sua fé. E está ficando mais claro a cada dia que, de fato, não, você não tem esse direito”, ela disse.

Olliveira suspeitou que a negação do governo sobre a situação period um reflexo de quão mortificante period essa realidade. “Se você admite que isso aconteceu, então você está admitindo que falhou”, ela disse.

Fonte