Início Mundo Pelo menos 274 palestinos mortos em ataque israelense que libertou 4 reféns,...

Pelo menos 274 palestinos mortos em ataque israelense que libertou 4 reféns, dizem autoridades

25
0

Pelo menos 274 palestinos, incluindo dezenas de crianças, foram mortos e centenas de outros ficaram feridos no ataque israelense que resgatou quatro reféns detidos pelo Hamas, informou no domingo o Ministério da Saúde de Gaza. Os militares israelenses disseram que suas forças ficaram sob fogo pesado e responderam durante a complexa operação diurna no centro de Gaza.

O assassinato de tantos palestinianos, num ataque que os israelitas celebraram como um sucesso impressionante, mostrou o elevado custo de tais operações, para além do já crescente número de vítimas da guerra de 8 meses, desencadeada pelo ataque do Hamas em 7 de Outubro.

O bombardeio israelense foi um “inferno”, disse a testemunha Mohamed al-Habash à Related Press. “Vimos muitos caças sobrevoando a área. Vimos pessoas fugindo pelas ruas. Mulheres e crianças gritavam e choravam.”

A operação em Nuseirat, um campo de refugiados construído desde a guerra árabe-israelense de 1948, foi o maior resgate desde 7 de outubro, quando o Hamas e outros militantes invadiram a fronteira, matando cerca de 1.200 pessoas, a maioria civis, e levando cerca de 250 reféns.

A história continua abaixo do anúncio

A ofensiva massiva de Israel matou mais de 36.700 palestinianos, segundo o Ministério da Saúde, que não faz distinção entre civis e combatentes na sua contagem. Afirmou que 64 crianças e 57 mulheres foram mortas no último ataque, e 153 crianças e 161 mulheres estavam entre os quase 700 feridos.

Os acontecimentos de sábado também afectaram as frágeis tentativas de entrega de ajuda. O chefe do Programa Alimentar Mundial disse que suspenderam a distribuição em torno de um cais construído pelos EUA ao largo de Gaza porque “dois dos nossos armazéns, complexo de armazéns, foram bombardeados ontem”. Quando questionada sobre como isso aconteceu e se o PMA compartilha suas localizações com os militares de Israel, Cindy McCain disse que sim e “Não sei. É uma boa pergunta. Não ficou claro se ela estava se referindo à operação de resgate.


Clique para reproduzir o vídeo: 'Israel resgata 4 reféns no centro de Gaza na maior operação até o momento'


Israel resgata 4 reféns no centro de Gaza na maior operação até agora


Cenas de horror no hospital de Gaza

Em Gaza, os médicos descreveram cenas de caos após o ataque. Hospitais sobrecarregados já lutavam para tratar os feridos em dias de fortes ataques israelenses.

A história continua abaixo do anúncio

“Tivemos uma gama de ferimentos de guerra, ferimentos traumáticos, desde amputações, eviscerações, traumas, até TCEs (lesões cerebrais traumáticas), fraturas e, obviamente, grandes queimaduras”, disse Karin Huster, da Médicos Sem Fronteiras, que trabalha em Al-Aqsa. Hospital dos Mártires. “Crianças completamente cinzentas ou brancas pelo choque, queimadas, gritando pelos pais. Muitos deles não estão gritando porque estão em estado de choque.”

O e-mail que você precisa para receber as principais notícias do dia no Canadá e em todo o mundo.

Os militares israelitas afirmaram ter atacado “ameaças às nossas forças na área” e que um oficial das forças especiais foi morto na operação. Ele disse que as equipes de resgate foram alvo de fogo pesado, inclusive de homens armados que dispararam granadas-foguetes, e os militares responderam com força pesada, inclusive de aeronaves.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, atacou os críticos da operação em uma postagem no X, dizendo que “apenas os inimigos de Israel reclamaram das baixas dos terroristas do Hamas e de seus cúmplices”.

Dentro de Israel, os meios de comunicação locais concentraram-se fortemente no número de vítimas israelitas, nos reféns e nos esforços militares, com relativamente pouca cobertura da situação dos palestinianos dentro de Gaza.


Clique para reproduzir o vídeo: 'Gazanes fugindo para o Canadá enfrentam bloqueios de vistos 'injustos', dizem famílias palestino-canadenses'


Moradores de Gaza que fogem para o Canadá enfrentam bloqueios de vistos “injustos”, dizem famílias palestino-canadenses


‘Meu irmão morreu de tristeza’

Os israelenses continuaram a comemorar o retorno de Noa Argamani, 26; Almog Meir, 22 de janeiro; Andrei Kozlov, 27; e Shlomi Ziv, 41; enquanto eles se reuniam com seus entes queridos.

A história continua abaixo do anúncio

A mãe de Argamani, Liora, que tem câncer no cérebro em estágio avançado, divulgou um vídeo implorando para vê-la. O pai de Argamani disse à Rádio do Exército que o reencontro foi “muito difícil”, pois Liora “simplesmente não conseguia expressar seus sentimentos e não conseguia dizer o que realmente esperava dizer”.

A tia de Meir Jan, Dina, disse que seu pai morreu na sexta-feira, horas antes da operação. “Meu irmão morreu de tristeza”, disse ela à emissora pública Kan de Israel.

O médico Itai Pessach, do Hospital Sheba, disse que nenhum deles teve ferimentos físicos graves. Mas perderam amigos e familiares e os funcionários “têm-nos ajudado a reconstruir a infra-estrutura das suas vidas”, disse ele aos jornalistas.

Cerca de 120 reféns permanecem em Gaza, com 43 mortos declarados, depois de cerca de metade ter sido libertada num cessar-fogo de uma semana em Novembro. As tropas israelenses recuperaram os corpos de pelo menos 16 pessoas, segundo o governo. Os sobreviventes incluem cerca de 15 mulheres, duas crianças menores de 5 anos e dois homens na faixa dos 80 anos.

Acredita-se que dezenas de reféns estejam mantidos em áreas densamente povoadas ou dentro do labirinto de túneis do Hamas, tornando os resgates complexos e arriscados. Uma operação em fevereiro libertou dois reféns e deixou 74 palestinos mortos.

Os militares de Israel reconheceram que não podem realizar operações para resgatar toda a gente.


Clique para reproduzir o vídeo: 'Guerra em Gaza: ataque israelense a escola mata dezenas de pessoas'


Guerra em Gaza: ataque israelense a escola mata dezenas de pessoas


As divisões aprofundaram-se em Israel sobre a melhor maneira de trazer reféns para casa. Muitos instam o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu a abraçar um acordo de cessar-fogo anunciado pelo presidente dos EUA, Joe Biden, no mês passado, mas os aliados da extrema direita ameaçam derrubar o seu governo se o fizer. Horas depois do resgate, milhares de israelitas reuniram-se novamente para protestar contra o governo e pedir um acordo.

A história continua abaixo do anúncio

No domingo, Benny Gantz, um fashionable membro centrista do gabinete de guerra de três membros de Israel, demitiu-se do governo depois de o desafiar a adoptar um novo plano para a guerra. A renúncia torna Netanyahu mais dependente de seus aliados de extrema direita.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, regressará ao Médio Oriente esta semana, procurando um avanço nos esforços de cessar-fogo. O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse à CNN que os mediadores Egito e Catar não receberam uma palavra oficial do Hamas sobre o acordo proposto. Numa entrevista separada à CBS, Sullivan não disse se Biden se encontraria com Netanyahu quando ele vier a Washington no próximo mês para discursar no Congresso.

A pressão internacional está a aumentar sobre Israel para limitar o derramamento de sangue de civis na sua guerra em Gaza. Os palestinianos também enfrentam fome generalizada porque os combates e as restrições israelitas cortaram em grande parte o fluxo de ajuda.

“Eles mataram tudo dentro de nós”, disse um residente de Nuseirat que testemunhou o ataque de sábado. A mulher, identificada apenas como Mounira num vídeo partilhado pela ONU no domingo, apelou a um cessar-fogo.



Fonte