Início Mundo Biden pede desculpas publicamente a Zelenskyy pelo roubo de armas à Ucrânia

Biden pede desculpas publicamente a Zelenskyy pelo roubo de armas à Ucrânia

24
0

O presidente dos EUA, Joe Biden, pediu desculpas públicas à Ucrânia pela primeira vez na sexta-feira por um atraso de meses no Congresso na assistência militar americana que permitiu à Rússia obter ganhos no campo de batalha.

Biden reuniu-se em Paris com o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy, que apelou ao apoio bipartidário dos EUA no futuro “como foi durante a Segunda Guerra Mundial”.

Um dia antes, os dois tinham participado nas cerimónias que marcaram o 80º aniversário dos desembarques do Dia D na Normandia, onde Biden traçou uma causa comum entre as forças aliadas que ajudaram a libertar a Europa da Alemanha nazi e o esforço de hoje para apoiar a Ucrânia contra a invasão da Rússia e Zelenskyy. foi recebido com uma ovação extasiada.

“Peço desculpa por aquelas semanas sem saber o que vai acontecer em termos de financiamento”, disse Biden, referindo-se ao atraso de seis meses dos republicanos conservadores no Congresso relativamente a um pacote de ajuda militar de 61 mil milhões de dólares para a Ucrânia. Ainda assim, o presidente democrata insistiu que o povo americano estava ao lado da Ucrânia a longo prazo. “Ainda estamos dentro. Completamente. Completamente”, disse ele.

A história continua abaixo do anúncio

O pedido de desculpas – e o apelo de Zelenskyy por um apoio sólido semelhante à coalizão aliada na Segunda Guerra Mundial – serviu como um lembrete de que, apesar de toda a conversa de Biden sobre um compromisso incansável dos EUA com a Ucrânia, a recalcitrância entre os republicanos no Congresso e uma tensão isolacionista na política americana expuseram sua fragilidade. E, embora não tenha sido notado, o espectro da candidatura de Donald Trump pairou sobre a discussão, uma vez que o antigo presidente republicano e o presumível candidato falaram positivamente do presidente russo, Vladimir Putin, e suscitaram preocupações na Ucrânia de que ele apelaria à cessão de território para acabar com a conflito.

Zelenskyy pressionou todos os americanos a apoiarem a defesa do seu país contra a invasão da Rússia e agradeceu aos legisladores por eventualmente se terem unido para aprovar o pacote de armas, que permitiu à Ucrânia conter os avanços russos nas últimas semanas.


Clique para reproduzir o vídeo: ''Você é meu herói!': Veterano da Segunda Guerra Mundial compartilha momento emocionante com Zelenskyy da Ucrânia'


‘Você é meu herói!’: Veterano da Segunda Guerra Mundial compartilha momento emocionante com Zelenskyy da Ucrânia


“É muito importante que nesta unidade, Estados Unidos da América, todo o povo americano permaneça com a Ucrânia como aconteceu durante a Segunda Guerra Mundial”, disse Zelenskyy. “Como os Estados Unidos ajudaram a salvar vidas humanas, a salvar a Europa. E contamos com o seu apoio contínuo para estar conosco ombro a ombro.”

A história continua abaixo do anúncio

Os Estados Unidos são, de longe, o maior fornecedor de apoio em tempo de guerra a Kiev, e a Ucrânia está a tentar defender-se de uma intensa ofensiva russa nas zonas orientais do país. A pressão concentra-se nas regiões fronteiriças ucranianas de Kharkiv e Donetsk, mas as autoridades ucranianas dizem que poderá espalhar-se à medida que o maior exército da Rússia procura fazer valer a sua vantagem.

O e-mail que você precisa para receber as principais notícias do dia no Canadá e em todo o mundo.

A ofensiva procura explorar a escassez de munições e tropas em Kiev ao longo da linha de frente de cerca de 1.000 quilómetros (620 milhas).

O ritmo lento de entrega do armamento ocidental prometido há muito que frustra Zelenskyy, tal como a hesitação de Biden em fornecer mais equipamento por medo de provocar o presidente russo, Vladimir Putin. Isso causou tensão em seu relacionamento.

Os EUA enviarão cerca de US$ 225 milhões em ajuda militar à Ucrânia, anunciou Biden na sexta-feira. O pacote mais recente inclui munições para o Sistema de Foguetes de Artilharia de Alta Mobilidade, ou HIMARS, bem como sistemas de morteiros e uma série de projéteis de artilharia, disseram autoridades dos EUA na quinta-feira.

Um ataque ucraniano na região parcialmente ocupada de Luhansk usando mísseis ATACMS fabricados nos EUA matou três pessoas e feriu outras 35 na sexta-feira, disseram autoridades locais nomeadas por Moscou.

Biden classificou a ajuda adicional em sua reunião com Zelenskyy como dinheiro para “reconstruir a rede elétrica” na Ucrânia, uma referência disseram que assessores eram para sistemas adicionais de defesa aérea e de defesa antimísseis no novo pacote.

Abrandando a sua posição em meio ao ataque mais recente da Rússia e com o exército da Ucrânia cambaleando, alguns aliados da OTAN, incluindo os EUA, disseram na semana passada que permitiriam que a Ucrânia usasse armas que entregassem a Kiev para realizar ataques limitados dentro da Rússia.

A história continua abaixo do anúncio

Essa medida provocou uma resposta furiosa do Kremlin, que alertou que o maior conflito na Europa desde a Segunda Guerra Mundial poderia ficar fora de controlo.

Biden e Zelenskyy participaram dos eventos de aniversário do Dia D na Normandia, norte da França, na quinta-feira, junto com líderes europeus que apoiaram os esforços de Kiev na guerra. Biden prometeu “não abandonaremos” a Ucrânia, traçando uma linha direta entre a luta para libertar a Europa da dominação nazi e a guerra de hoje contra a agressão russa.


Clique para reproduzir o vídeo: 'Espanha promete 1 bilhão de euros' em equipamento militar para a Ucrânia'


Espanha promete mil milhões de euros em equipamento militar à Ucrânia


A Ucrânia descreve a sua luta contra as forças do Kremlin como um choque entre a liberdade democrática ocidental e a tirania russa. A Rússia diz que está a defender-se contra uma ameaçadora expansão para leste da aliança militar da NATO.

Num discurso de 20 minutos na Assembleia Nacional, a câmara baixa do parlamento francês, Zelenskyy traçou um paralelo com os sacrifícios feitos durante a Segunda Guerra Mundial e a luta precise do seu país.

A história continua abaixo do anúncio

“Esta batalha é uma encruzilhada”, disse Zelenskyy. “Um momento em que agora podemos escrever a história da maneira que precisamos. Ou podemos nos tornar vítimas da história conforme convém… ao nosso inimigo.”

Zelenskyy, que falava em ucraniano, period frequentemente interrompido pelos aplausos e vivas dos legisladores. Ele foi aplaudido de pé quando disse em francês: “Querida França, agradeço por estar ao nosso lado enquanto defendemos a vida”.

Entretanto, o presidente francês, Emmanuel Macron, anunciou na quinta-feira que a França fornecerá à Ucrânia o seu avião de combate Mirage.

Macron tem sido um defensor vocal da Ucrânia. Ele disse em Fevereiro que a colocação de tropas ocidentais no terreno na Ucrânia não está “descartada”.

Zelenskyy começou um dia de reuniões em Paris com uma cerimônia oficial de boas-vindas no monumento dos Inválidos, com cúpula dourada, native do túmulo de Napoleão.

Durante o dia, Zelenskyy faltou a uma visita programada ao fabricante de armas Nexter em Versalhes, que fabrica os obuses autopropulsados ​​​​Caesar, que estão entre as armas fornecidas pela França às forças de Kiev. Em vez disso, dirigiu-se ao quartel-general militar francês com fabricantes de defesa e a sua delegação assinou acordos de defesa.

Ele também se encontraria com Macron no Palácio do Eliseu.

As viagens de Zelenskyy ao estrangeiro visam manter a situação da Ucrânia sob os olhos do público, garantir mais ajuda militar para a sua luta contra a invasão da Rússia e garantir o apoio ocidental a longo prazo através de alianças bilaterais.

A história continua abaixo do anúncio

A França e a Ucrânia assinaram em fevereiro um acordo bilateral de segurança de 10 anos. Desde então, Zelenskyy assinou acordos bilaterais semelhantes com muitos países europeus.

–Barbara Surk em Good e Hanna Arhirova em Kiev, Ucrânia, contribuíram.



Fonte