Início Mundo A queda de Roe: você pensou que Dobbs period ruim? Eles...

A queda de Roe: você pensou que Dobbs period ruim? Eles estão vindo para Brown v. Board

18
0

Em junho de 2022, Dobbs v. Organização de Saúde Feminina de Jackson anulou mais de meio século de precedente da Suprema Corte. Cinco juízes votaram pela negação da proteção constitucional ao direito de escolha da mulher e destruíram a privacidade como um direito elementary. O Texas e outros 13 estados proíbem agora o aborto em quase todas as circunstâncias. Flórida, Geórgia e Carolina do Sul decretaram proibições de seis semanas.

Escrevendo para a maioria do Supremo Tribunal, Samuel Alito, nomeado por George W Bush, comparou explicitamente a morte de Roe ao fim da segregação racial imposta pelo Estado, 68 anos antes. Em 1954, numa decisão histórica, Brown v. Conselho de Educação, um tribunal unânime rejeitou a doutrina de “separados, mas iguais”. Atualmente, Brown está sob ataque dos aliados de Alito dentro e fora do banco.

Em seu novo livro A Queda de Ovasnomeado para Roe x Wadea decisão de 1973 que anteriormente salvaguardava o direito federal ao aborto, Elizabeth Dias e Lisa Lehrer expõem magistralmente como o movimento de direita cultural e pró-vida se recusou a aceitar o “não” como resposta, jogou o jogo longo e alcançou a vitória pela qual eles ansiava. Dias e Lerer também captam a sonolência da esquerda e como a “interseccionalidade” passou a dividir antigos aliados.

Dias é o New York Instances repórter de religião. Formada pelo Wheaton School, alma mater do falecido Rev. Billy Graham, ela possui mestrado em divindade pelo Seminário Teológico de Princeton. Lerer, veterano de cinco campanhas presidenciais, cobre política para o Tempos. Os dois conseguiram Hillary Clinton para falar para registro.

A candidata presidencial democrata em 2016 reconhece que o seu partido subestimou os seus adversários, mas não aponta o dedo a si própria.

“Não levamos isso a sério e não entendemos a ameaça”, disse Clinton. “Poderíamos ter feito mais para lutar.”

“Eu só acho que a maioria de nós que apoiamos os direitos das mulheres e a privacidade e o direito de tomar essas decisões difíceis sozinhos, você sabe, simplesmente não conseguíamos acreditar no que estava acontecendo.”

“Nosso lado foi complacente e meio que deu como certo e pensou que isso nunca iria desaparecer.”

Mesmo que as pesquisas mostrem que o direito ao aborto tem uma aceitação pública cada vez maior, a mecânica do federalismo deixou que as legislaturas nos estados vermelhos atuassem como uma força contrária ao ethos nacional mais liberal, um ponto enfatizado no A Queda de Ovas.

“Os republicanos tinham as legislaturas estaduais”, escrevem Dias e Lerer. “Eles tinham uma rede de cima para baixo. Eles tinham o tribunal. Eles tinham o poder de mudar a vida americana.”

A Queda de Ovas também esclarece a infra-estrutura que sustentou a oposição a Roe. Os doadores de mentalidade libertária não se importaram particularmente em restringir o acesso ao aborto e David Koch apoiou pessoalmente o direito ao aborto. Dito isto, Freedom Companions, um grupo industrial liderado por Koch, doou quase 1 milhão de dólares para esforços anti-aborto, que poderiam ser combinados no dia das eleições com cortes de impostos e menor regulamentação.

Disse de forma diferente, os fetos não eram a única razão pela qual grandes cheques estavam sendo cortados para a Sociedade Federalista, ou porque o originalismo constitucional se tornou a religião cívica da direita. O legado de FDR tem de ser destruído. A segurança social pode já não ser tão segura.

Leonard Leo, a força motriz da Sociedade Federalista, recebe atenção especial.

“Quem é esse maldito anão?” Donald Trump disse uma vez de Leãoum amigo próximo do juiz Clarence Thomas.

Resposta curta: Leo ajudou a fazer com que cada um dos indicados de Trump à Suprema Corte cruzasse a linha de chegada. Pense nele como o canudo que mexe a bebida.

“Depois que Alito foi confirmado no tribunal, Leo o conectou com pessoas ideologicamente alinhadas empresários, alguns dos quais tinham processos em tribunal”, escrevem Dias e Lehrer.

Eles acrescentam que Leo “passou um tempo com Thomas em… um resort privado à beira de um lago de propriedade de um importante doador republicano, Harlan Crow. Suas visitas foram homenageadas em uma pintura pendurada no inside da pousada.”

Graças a ProPública Reportagem vencedora do Pulitzer, a pintura agora é bem conhecida. O grupo é mostrando fumando charutos pensativamente.

As conexões de Leo também ajudaram a fundar uma organização sem fins lucrativos, a Judicial Disaster Community (JCN), “no mesmo corredor de um prédio comercial no centro da cidade que a Sociedade Federalista”.

O que tudo nos traz de volta Brown v. Conselho de Educação e para onde vai a direita a seguir.

Em Justiça em Julgamentoum exame da elevação de Brett Kavanaugh à Suprema Corte, as palestrantes conservadoras Carrie Severino, da JCN, e Mollie Hemingway, da o Federalista, destruído Marrom.

De acordo com Severino e Hemingway, as ciências sociais desempenharam um papel errado no cálculo do tribunal. Declararam que tais decisões “podem ter sido correctas nos seus resultados, mas foram decididas com base em estudos sociológicos e não em princípios jurídicos”.

Observe a palavra “pode”.

Avançando para maio de 2024, quando Thomas – que se juntou à opinião de Alito em Dobbs –acendeu o fogo Marrom.

“Esses usos extravagantes do poder judicial estão em desacordo com a história e a tradição do poder de capital e o design dos autores”, escreveu ele concordando, sustentando um mapa congressional da Carolina do Sul face ao desafio dos direitos de voto.

À medida que se aproximam outras eleições, o aborto e a contracepção surgiram como questões de campanha, para horror de Trump. No toco, o presumível candidato republicano vacilou sobre possíveis restrições à contracepção. Por outro lado, Stormy Daniels testemunhou que Trump não usou preservativo durante um encontro que Trump ainda nega, apesar de terem surgido 34 veredictos de culpa no caso.

Quanto à punição às mulheres que abortam, Trump deixaria isso para os estados.

“Os estados vão tomar essa decisão”, ele disse à Time. “Os estados terão que ser confortáveis ​​ou desconfortáveis, não eu.”

Ele também se recusou a dizer “não” aos estados que monitoram as mulheres para identificar aquelas que interrompem a gravidez. Pensar O conto da serva.

Nas provas intermediárias de 2022, Dobbs custou aos republicanos a sua “onda vermelha”. Em 2024, poderá levar a outra derrota de Trump e à retomada da Câmara pelos Democratas. No momento, as coisas estão tão próximas.

Fonte