Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Posted in:

Sense8 S01E01 – Limbic Resonance

[Contém Spoilers]

Tire uns minutinhos do seu dia. Precisamos falar de Sense8, a série que ou você ama ou ainda não viu. Sendo assim, esse post é para os amantes da série poderem explicar para os amigos toda a loucura da história, e pra quem ainda não viu poder entender do que se trata. Nesse primeiro review, vou apresentar o que é a série, já engatando no primeiro episódio, apresentando os personagens maravilhosos e complexos.

Primeiramente dê um play aqui na trilha e deixe rolar:

[youtube id=”J-Vgo5KAFsk”]

Sense8 foi dirigida, escrita e produzida por por J. Michael Straczynski e Andy e Lana Wachowski – isso, os irmãos que produziram aquela loucura que é Matrix e que mexe com sua mente até hoje. Assim como em Matrix, Sense8 traz diferentes perspectivas sobre a vida e o modo como perceber o mundo – além de quebrar tabus sociais de uma forma sutil e linda.

O espectador é apresentado primeiro à Angélica (Daryl Hannah), em agonia, com dor, em clara crise psíquica. Até que  Sayid* Jonas (Naveen Andrews) pega a mão dela, diz amá-la e estar ali para ajudar. Eles têm uma conversa louca sobre nascimentos, estar preparado, conexão, amor. Nessa cena, também aparece outro sujeito (Terrence Mann), que a desencoraja a cometer suicido, pois tem certeza que ela não será bem sucedida, como nas outras vezes que tentou. Mas esses caras estão aparentemente em dimensões diferentes. SIM, você não consegue compreender que raios tá acontecendo com essa mulher.

Sense8 01

Porém, em meio à agonia, Angélica vê um latino de feições perfeitas. Ele está em uma igreja, com um revólver e pingando sangue pelas mãos. Mas, minutos a frente, descobrimos que se trata de uma brilhante atuação de Lito (Miguel Silvestre), ator super sensível e dramático que reside no México.

Em seguida, aparece uma linda moça loira, pensativa e debruçada no parapeito de um terraço com seu cigarro. Riley (Tuppence Middleton) é uma DJ irlandesa que tenta fugir dos dramas da sua história morando na Inglaterra. Um passado complexo que ainda não conhecemos.

Concentrada na sua ioga temos Sun (Doona Bae), uma coreana espetacular, que carrega consigo todo o drama da tradicional família oriental, conflitante com suas habilidades singulares de kickboxing e administração. Sun traz consigo suas honra e caráter tão categóricos quanto seu soco de direita.

Chegamos a Wolfgang (Max Riemelt). O encontramos sem camisa, em uma boate, enebriado pelo alto som da música eletrônica. O alemão inconsequente, que urina no túmulo do pai e faz grandes assaltos com o amigo, traz um conflito interno sobre enfrentar a realidade de sua história ou fugir dela.

E então Kala (Tina Desai), a inteligente farmacêutica indiana, também de família tradicional. Apesar de o pai tê-la incentivado aos estudos, a pressão social a leva para um casamento com um bom homem, mas por quem não nutre sentimentos maiores do que um carinho de amigo.

Já Capheus (Aml Ameen) é apresentado em sua van, a Van Damn. O queniano de astral inabalável acredita que todo dia será “um dia fantástico”, apesar de estar sempre em busca de dinheiro para comprar remédios pra sua mãe  soropositiva.

Conhecemos a seguir Nomi (Jamie Clayton). A hacker está frente ao espelho, aplicando a injeção de hormônios que fazem seu corpo entender que ela é a Nomi – e não o que sociedade e família querem que ela seja. Enquanto sua namorada, Amanita (Freema Agyeman), relaxa na banheira.

Por último, vemos Will (Brian J. Smith), um policial de Chicago que enfrenta os desafios da profissão, mas tem grande dificuldade com a luta diária de seus próprios demônios – a relação com o pai e um assassinato mal resolvido.

Angelica vê todos eles. Eles a veem. Angelica solta o gatilho que atira um projétil em sua boca depois que todos os oitos começam a ver e sentir o que os outros veem e sentem – e o título do episódio piloto se explica. “Ressonância Limbica”: capacidade de entrar em sintonia com as manifestações internas dos outros. Pode-se entender e até mesmo sentir o que o outro sente. Um fenômeno físico, anatômico, psicológico e espiritual. MEU DEUS É UM TREM QUE VOCÊ SENTE O QUE O OUTRO TÁ SENTINDO, VOCÊ PODE ATÉ VER, TOCAR E ENTRAR EM SINTONIA COM OUTRA PESSOA. Imagina o pano pra manga que isso não dá?

personagens Sense8

E como convencer?

Só nesse primeiro episódio tem: uma transsexual mostrando suas lutas e orgulho LGBT, além de um amor puro e intenso por sua namorada. Tem um ator em crise sobre quem ele é, o que ele pode ser e o que seu personagem representa. Tem uma moça confusa sobre seu destino, procurando na religião – o hinduísmo – uma ajuda para se encontrar, mesmo sabendo que “não é tão importante quando há tantas coisas erradas no mundo” [Kala]. Tem um meticuloso roubo de diamantes apimentado com traumas de infância latentes. Tem um policial que não aceita deixar morrer um garoto envolvido com o tráfico. Tem uma moça que busca nas drogas uma fuga desesperada de sua realidade confusa – e você pode sentir a pupila da Rilay se dilatando e sua respiração ofegante enquanto o mundo se confunde ao seu redor. Tal clima é quebrado por um tiroteio que acontece onde a DJ estava. (Mas bem aí o episódio acaba… na maior tensão).  E isso tudo também é sentido pelos outros sensitivos, por essa pessoas que tiveram suas mentes conectadas. NÃO É LINDO ISSO?  Até porque, em que seriado você pode ver tantas histórias ao mesmo tempo, aparentemente desconexas, mas se interlaçam pela mente de seus protagonistas? Não sei lidar.

Trilha sonora linda. Roteiro interessante. Personagens intensos. Direção espetacular. Dá pra perceber que eu adorei a série, não é mesmo?  Eu já queria dar spoiler e comentar cenas lindas dos episódios 04, 06 e 10. Mas dê um pause na música e uma olhada no trailer. Pouco a pouco, comentamos o que acontece nessa série e o que o Netflix está nos providenciando para 2016.

[youtube id=”VX-TnKoivR8″]

#ficadica

Vale a pena dar uma olhada no que a Jout Jout sentiu sobre a série!
[youtube id=”MGwbyY-9dfo”]

*Se lembra do personagem que Naveen Andrews fez em Lost? Ele interpretava o Sayid (amava essa personagem). Agora, nessa nova série, ele faz um personagem tão cabuloso quanto.

Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Escrito por Nathalie Portela

Nathalie Portela

Estudante de jornalismo na Unesp Bauru e fotógrafa profissional. Adora frases na parede, desenhos no caderno e coleciona séries terminadas no Netflix. Soltou suspiros ao ver Sense8, mas seu amor declarado é Olaf - com abraços quetinhos.

8 posts