Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Posted in:

Crítica – Benny & Joon: Corações em Conflito

A história deste filme de 1993 é algo até simples: Benjamin (Aidan Quinn) e Juniper (Mary Stuart Masterson) Pearl são dois irmãos que perderam os pais num acidente de carro. Desde então, Benny vem cuidando de sua irmã mais nova, que possui um transtorno mental. Percebe-se que, aliado à dificuldade de tomar conta de alguém, há ainda o adendo das constantes mudanças de humor de Joon, sua dificuldade para lidar com sons altos e com a articulação de frases em determinados momentos, entre outros.

A trama, no início, é lenta; porém, ganha agilidade com a chegada – literal – de Sam (Johnny Depp), o primo excêntrico de um dos amigos de Benny. Ele passa a morar com os dois, e assume a função de cuidador de Joon e da casa. Nota-se que o rapaz tem hábitos diferentes, o que mantém a atenção presa e o interesse constante de quem assiste. Ainda, as atitudes de Sam contribuem para o ganho de simpatia ao ver a ingenuidade do personagem. Aliás, algo interessante sobre essas cenas é que elas foram inspiradas nas antigas comédias do cinema mudo, como as de Charles Chaplin.

painting scene

É interessante como Benjamin decide abrir mão de diversos aspectos de sua vida em nome dos cuidados com sua irmã: não investe em relacionamentos e não passa muito tempo longe de casa, com medo do que pode vir a acontecer se ela passar muito tempo sozinha. Ele age de forma extremamente protetora, e Joon percebe isso.

Durante o enredo, também é abordada a questão da possibilidade de escolha e de liberdade individual de Joon. Presumida como incapaz de tomar as próprias decisões e cuidar de si mesma, Benny é fechado quando se trata de sua irmã se relacionar com outras pessoas. A presença de Sam e seus sentimentos pela jovem fazem com que ele perceba que, sim, talvez ela possa ter uma vida junto de alguém que, com certeza, irá cuidar e a apoiar da forma necessária.

fight scene

Algo que poderia ser mais bem explorado é o passado de Sam: o máximo que temos de contato com sua vida pessoal é no momento em que diz que foi expulso da escola por fazer alguns truques acrobáticos. Apesar disso, a doçura do personagem e suas atitudes ímpares faz com que não surjam situações que comprometam a história como um todo.

O foco não é o romance, como é indicado em algumas classificações do filme. Trata-se, de forma sensível, a relação entre dois irmãos e a arte de saber deixar ir quando for necessário.

Compartilhar, , Google Plus, Pinterest,

Escrito por Danielle

Danielle

A Danielle tem 19 anos e é estudante de jornalismo da UNESP, em Bauru. É apaixonada por livros – inclusive aqueles de distopias -, séries e mangás. Canta baixinho quando não tem ninguém olhando.

4 posts